Tiradentes, um tesouro a ser descoberto.

Há tempos adiávamos nosso retorno à cidade histórica de Tiradentes, em Minas Gerais. Lembrávamos apenas de ter realizado uma rápida visita e uma breve parada para o almoço. Mas uma coisa era certa, aquela breve e rápida parada foi o suficiente para nos deixar com vontade de voltar e ficar mais tempo por lá. A cidade era simplesmente encantadora!

Centro histórico de Tiradentes/MG

Era sexta feira, saímos de São Paulo e voamos até Belo Horizonte (leia-se Confins!) e de lá seguimos em carro alugado até Tiradentes (4hs de viagem). Aliás, uma dúvida beeeem controversa. Dirigir 7hs até Tiradentes ou, abreviar 3hs de viagem tomando um avião? Optamos pela segunda opção e chegamos na cidade no final do dia. Tempo para tomar um banho, dar uma rápida volta pelo centro e jantar.

Tiradentes durante a noite

Dessa vez a viagem seria com o olhar um pouco mais profissional. Estávamos acompanhando um grupo de fotógrafos amadores e profissionais que escolheram a cidade para realizar uma atividade em alta no momento, um fotowalk, uma viagem que mescla a prática da fotografia, enquanto se explora os mais famosos pontos turísticos do destino a pé.

Turma do fotowalk

Como não éramos fotógrafos amadores e muito menos profissionais, cumprimos nossa agenda com o grupo e saímos para encontrar nosso guia para realizar um passeio pela zona rural da região.

À caminho do passeio rural, na direção o competente guia Dalton

As referências do passeio rural eram ótimas e o mesmo nos tomaria praticamente o dia inteiro. Confesso que deixar de explorar a cidade para passear pela zona rural não foi tarefa das mais fáceis, mas ao final, se revelaria incrivelmente compensatória.

Nossa primeira parada foi no Doce de Leite do Bolota, uma pequena empresa familiar que produz doces saborosíssimos e com açúcar na medida certa. Ao chegar na casa você é atendido pela filha e também pela esposa do Bolota, que por ser diabético desenvolveu em 1976 uma receita de doce de leite que leva 15 litros de leite e apenas 200g de açúcar. O doce ganhou fama e até hoje atrai muita gente em busca dessa e de outras especiarias produzidas pela família.

Doce de Leite do Bolota – Tiradentes/MG

Após a adocicada visita, fomos nos afastando cada vez mais da cidade, passando por vilarejos e entrando definitivamente na área rural. O cenário e a tranquilidade do passeio já estavam funcionando como um verdadeiro calmante natural. Uma sensação incrível de liberdade, paz e segurança nos acompanhavam, enquanto nosso guia, Dalton, nos passava informações e nos contava histórias maravilhosas da região e do povo que lá vive.

Entrando na zona rural

Nossa próxima parada foi surpreendentemente etílica! Cruzamos a pequena cidade de Coronel Xavier Chaves e adentramos na zona rural até chegar em uma fazenda, que desde de 1714 preserva sua história e surpreende pela fantástica originalidade.

Entrada do Engenho
A fazenda do engenho Boa Vista – Cidade de Coronel Xavier Chaves
O moinho

Fomos recebidos pelo proprietário da fazenda, conhecido como Nando, que se apressa em dizer que lá é produzida a melhor cachaça do Brasil! Os proprietários da fazenda são descendentes diretos (oitava geração) da família de Tiradentes e desde então, plantam cana de açúcar de onde extraem uma aguardente de primeiríssima qualidade. O engenho, de nome Boa Vista, produz a cachaça Século XVIII e é considerado o mais antigo engenho em atividade no país.


a oitava geração da família de Tiradentes

Lá é também produzida a famosa cachaça Santo Grau. A cachaça é envazada em São Paulo e comercializada no mercado nacional. Mas as grandes estrelas do engenho, são mesmo as cachaças de nome Século XVIII, que possuem aromas e sabores perigosamente suaves e deliciosos!

Prateleira com as cachaças produzidas no engenho

Somos apresentados a todo o processo de produção do produto, desde a lavoura, até aos enormes alambiques de aço que armazenam o precioso líquido. Entre um gole e outro, uma porção de mandioca e de linguiça fritas no fogão à lenha, a prosa é das mais interessantes e a experiência atinge um outro nível!

Cachaça com Linguiça e Mandioca fritas no fogão à lenha

Deixamos a fazenda no mais alto grau de felicidade e prontos para nossa próxima parada, uma propriedade de criação de gado de leite que produz um dos mais deliciosos queijos que já provamos. A Queijaria Tarôco fica localizada dentro do Sítio São Sebastião e faz parte do projeto de agroturismo Colônia Viva.

Vacas sendo alimentadas – Farelo de milho orgânico!

Fomos recebidos pelos proprietários que muito simpáticos nos explicam todo o processo de tratamento dos gados, a produção do queijo e como não podia faltar, a degustação. Saímos de lá com apenas uma peça de queijo e depois nos arrependemos por não ter trazido ao menos mais duas.

Degustação de queijos

A essas alturas, o queijo já havia dado uma quebrada no álcool consumido na parada anterior e a fome batia à nossa porta, ou seja, no nosso estômago. Era hora de almoçar!

Restaurante da Filó – Massas, molhos e muita criatividade

Quando imaginávamos que as surpresas haviam acabado, fomos surpreendidos novamente. Nosso almoço foi no restaurante da Filó, uma simpática senhora que possui uma fantástica história de vida e que bem ali, no meio da zona rural de São João Del Rei, teve a ousadia de abrir um restaurante cuja especialidade é a culinária italiana com um toque mineiro de dar água na boca. Uma absurda quantidade de massas, molhos, doces e uma polenta, cuja receita é centenária, é cortada na linha e possui um sabor defumado de lenha que te faz levitar!

Dona Filó

Retornamos no final do dia para a cidade de Tiradentes, muito felizes por ter realizado o passeio e certos de que vivemos um daqueles momentos únicos em nossas vidas. Nossa maior descoberta? Termos sido recebidos com simplicidade e alegria, pelos mais amorosos anfitriões que já conhecemos.

Ah, e ainda deu tempo para curtir o final do dia em Tiradentes.

Se você também quiser viver essa deliciosa aventura, clique aqui e tenha acesso ao roteiro completo.

LEAVE COMMENT